segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Abissal

Foto: Inês Mota


O caleidoscópio de rochas vivas generosamente acolhia-me e, ainda assim, o meu mundo era sombrio e tenebroso.

Eu sentia tanto medo. E o medo retraía-me ao posto de atalaia que me garantia relativa segurança em meio aos ferozes habitantes.

Para não me afogar, vencia a fadiga e protelava o sono, dia e noite. Noite e dia, empenhada em enxugar o mar d' água em torno de mim.

Oh, Sísifo! Como eu sabia dos seus desenganos.

Um dia, o misericordioso Merlin Azul segredou-me que esse mundo se chamava mar.
Segredou-me que meu nome é peixe.

Ciente da minha nova condição, descartei panos, dores e o escuro do mundo abissal.

Agora cuido de voar e contemplar estrelas

Inês Mota

Share/Save/Bookmark

Nenhum comentário: